ChannelDraw
Gianluca Costantini
Political Comics

[PT] Escudo da linha para Patrick Zaky

Como uma campanha artística transformou-se numa ação política

por Elettra Stamboulis, 12 de março de 2021

A linha de Gianluca Costantini protege quem está escondido: o seu desenho é um escudo.
Este também foi o caso de Patrick Zaky, um brilhante estudante egípcio que foi aceite no curso GEMMA Master’s Degree na Universidade de Bolonha, um curso universitário internacional e de grande prestígio. Patrick vive sua vida de pesquisa e comunidade na cidade de Bolonha, e volta nas férias para casa para ver sua família novamente. Em 7 de fevereiro de 2020, ele foi preso.
Ativista, não membro de partidos políticos, não é artista. Não existem imagens públicas deste desconhecido detido, detido por crimes de opinião e detido enquanto aguarda julgamento há mais de um ano. Por isso, Gianluca faz o que faz de melhor: no dia 7 de fevereiro, ele faz um desenho dele nos seus perfis de Facebook e Twitter e compartilha a imagem. A imagem é concisa: o aluno preso de barba e óculos, enrolado em arame farpado com as palavras “Liberdade para Patrick Zaky”. Ainda assim, o que acontece com esta imagem é parcialmente inesperado.

Como diz Tania Bruguera, “As coisas só acontecem na sociedade quando as pessoas intervêm e participam”. O poder envolvente da história nesta imagem diz-nos o que pode acontecer quando a arte ativa uma cooperação que vai muito além dos museus e das galerias.
Alguns dias após o tweet e a postagem de Gianluca, a Anistia Itália usou o desenho para lançar uma campanha da sua libertação com o subtítulo “Preso por ser ativista”. No entanto, o desenho tornou-se imediatamente uma placa usada por ativistas individuais, pendurada na rua,  em barracas, impressa e colada em cartão improvisado como cartazes. Nesse ínterim, o bloqueio chegou e parecia que a jornada da imagem de Zaky e a campanha conectada estava destinada a permanecer apenas digital.

No dia 6 de Maio, Costantini usou de forma criativa a possibilidade de intervenções imaginárias e colou o desenho de Zaky no enorme espaço publicitário, até então vazio, na Piazza Maggiore usando Photoshop. Ele também marcou o prefeito de Bolonha, Merola, sugerindo que ele poderia usar esse vazio comercial para dar um sinal institucional de apoio à campanha. Assim, no dia seguinte o prefeito contactou-o e em poucos dias o póster de 30 metros foi colocado na praça histórica da capital. Os cidadãos, que tinham ressentemente regressado para passear na sua cidade, idealmente abraçaram a iniciativa. Tiravam fotos de si próprios com este fundo, enviam centenas de mensagens entusiasmantes sobre essa presença, que se aplica a todos e que talvez o bloqueio forçado devido ao vírus tenha tornado mais empática. É uma obra pública que, em certo sentido, medeia e reúne uma história por vezes conflituosa entre a Street Art (arte de rua) e as instituições da cidade.

O sucesso desta iniciativa (TV, imprensa e redes sociais reportaram) que poucos dias após as empresas perceberam que o espaço era valioso … então, o cartaz foi retirado para dar espaço à publicidade. A obra efêmera, criada virtualmente, transformada em objeto e retirada por razões econômicas, colocada na Piazza Maggiore – certamente o lugar para onde convergem todos os poderes da cidade, a Prefeitura, a Basílica de San Petronio, a Biblioteca Archiginnasio – constitui um resumo de as práticas, limites e espírito conflituoso intrínseco de muitas operações nas paredes da cidade.

Mas a reação não tardou a chegar: agora, a imagem é a coisa, a sua exibição pública é percebida como uma questão coletiva, da cidade. Em 13 de junho, os ativistas de Labas trouxeram de volta a imagem recomposta em um mosaico feito de 1.500 fotocópias do original, separado e junto num formato de 10 x 15 m. Desta vez, há uma variação semântica importante. O retrato de Patrick está simbolicamente nas mãos, como se fosse uma demonstração, de Giulio Regeni, o jovem pesquisador italiano morto e torturado pela polícia egípcia. Esta acção é acompanhada pelas inúmeras mensagens enviadas nas redes sociais ao Município de Bolonha por cidadãos a pedirem a presença da imagem de Patrick como prova do seu empenho na procura da sua liberdade.

Entretanto, a Universidade de Bolonha, a universidade mais antiga da Europa, decidiu mobilizar-se para exigir a libertação do seu aluno, interpretando o seu próprio empenho de uma forma muito interessante: a ideia de uma cidadania académica, investigadora, que deve proteger os alunos e pesquisadores, na verdade vem de longe. A característica histórica de Bolonha, comparada, por exemplo, à igualmente antiga Paris, é ser uma Universitas Scholarium, uma corporação de estudantes que defendem seus direitos elegendo seus retores. E os alunos que se organizavam neste tipo de grupo eram essencialmente os alunos não bolonheses, os estrangeiros, que pretendiam defender-se dos abusos de poder, em particular dos estalajadeiros, em Bolonha. Assim, são os estudantes estrangeiros os fundadores da identidade da Universidade de Bolonha, e o Reitor, Docentes e Estudantes retomam esta identidade internacional, ativando não só a instalação das silhuetas de Zaky na Biblioteca Archiginnasio em Julho, mas também colocaram em todas as salas de estudos, enfim novamente habitadas mas com distanciamento social,localizadas na cidade. Patrick é considerado um de nós, ele está entre nós, ele tem que voltar.

Paralelamente, o autarca procurava um local igualmente simbólico para tornar público o apoio da cidade à campanha, explícito e na rua: no dia 28 de Julho foi colocado o cartaz com o desenho sob as duas torres , um símbolo icónico da cidade de Bolonha.

Mas o caminho é largo e longo, a consciência de duas instituições como a Universidade e o Município acionam outras grandes forças, outras vozes que se juntam ao coro dos pedidos: durante os concertos e festivais as silhuetas são inseridas nas bancadas, são utilizadas em cinemas ao ar livre, em praças e bibliotecas em vários locais da Itália.

Em Setembro, durante o tradicional Cervia Kite Festival, voluntários construiram uma pipa com a imagem de Zaky. Isto tem um valor simbólico agregado, visto que pipas foram recentemente proibidas no Egito como “possíveis ameaças à segurança nacional”. Na verdade, Al Sisi incluiu a venda e o uso deste objeto muito antigo entre as suas inúmeras proibições, resultando em centenas de prisões e multas, inclusive de jovens. Deve-se ter em mente que, durante o bloqueio, o uso desse objeto simples nos terraços das torres de cimento do Cairo e Alexandria aumentou dramaticamente, como uma forma de respirar um pouco de ar puro e viajar, pelo menos metaforicamente.

“Há algo novo no sol hoje – mas não
Mais como algo antigo: mesmo a esta distância,
Eu sinto as violetas a começar a aparecer ”

Este foi o poema de Pascoli “L’aquilone” (The Kite)

E durante tudo isto, que neste momento, felizmente, continua a receber uma atenção calorosa e simpática, envolvendo activistas, associações e instituições que usam esta imagem como símbolo, há algo antigo, mas também algo novo.

Vivemos à distância, mas a conexão empática que pode ser ativada graças ao poder de uma imagem sintética é algo que se consegue com novas ferramentas, mas que opera em antigos processos psíquicos ligados à evolução de nossa espécie. Indivíduos, como Freud intuiu em “Delusion and Dream in Jensen’s Gradiva”, movem-se quando encontram uma imagem que intercepta algo que procuram em si mesmos, mesmo que não tenham consciência disso. A imagem é representação, na ausência de representabilidade: assim, o corpo aprisionado de Zaky, impossível de ser representado por ter sido afastado da vista e da relação, volta a ser representável nesta ação, que vai além das linhas que a compõem, tecendo relações e trazendo acima identidades culturais e sociais submersas. Uma velha história, a privação injustificada da liberdade, torna-se nova e presente, envolvendo e ativando sujeitos. Claro, ainda não sabemos como isso vai acabar. No entanto, essas ações estiveram lá, e ainda estão lá para proteger todos os Zakys de hoje e do futuro, elas mostram um imperador que não tem roupas. Ninguém pode dizer que vestido lindo ele tem.

Political Comics

Newsletter